Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de uma Vida Pouco Privada

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Da Vida na Cidade

Eu gosto de viver na cidade, detesto apartamentos e sempre me imaginei a viver numa casa, mas sempre fugi do campo, do interior e do isolamento. Acho magníficas aquelas vivendas no alto do serro mas só porque têm uma vista brutal, porque depois, se precisarem de um pacote de arroz têm de fazer 5 km de carro até ao local civilizado mais próximo. 

Por isso por mais que sonhasse com uma vista de tirar o fôlego pela manhã, ou por mais que gostasse da calma e da paz de uma casa na aldeia, sempre quis viver na cidade, perto do supermercado, do café e da padaria. 

No entanto também nunca ambicionei viver numa cidade grande, sempre me assustou um pouco, o mundo de gente que se desloca em manada por Lisboa fora ou as filas de trânsito intermináveis ou até mesmo a solidão mascarada da vida das cidades grandes, em que ninguém cumprimenta ninguém. É claro que adorava ter acesso mais facilitado a tudo a que uma grande cidade oferece, especialmente em termos culturais, mas viver dessa forma, corrida e solitária é um preço muito alto a pagar pelo acesso à cultura.

Isto tudo para dizer que gosto muito de viver na minha pequena cidade, onde cumprimentamos quase todos com quem nos cruzamos a caminho do trabalho, onde os vizinhos ainda se sentam à porta de casa nas noites quentes de verão, onde podemos ir levar o lixo à meia-noite sem medo ser assaltados, onde ainda há portas fechadas só no trinco, onde o supermercado é logo ali e a padaria fica no final da rua, onde há Bancos, Segurança Social, Finanças e Tribunal, ou seja, onde posso tratar de tudo sem precisar de sair da minha área de conforto. Gosto muito de morar onde moro, como todas as cidades tem zonas feias e sujas, mas também tem melhorado muitas outras, e cada vez é mais agradável viver por aqui.

Mas acima de tudo, o que gosto mais de viver numa cidade pequena é sensação de fazer-mos parte de algo, há festas e eventos só nossos, que nos enchem de orgulho e nos fazem sentir incluídos. Viver a nossa terra é isso mesmo, fazer parte, participar, conhecer, e isso é o que acho que entretanto se perdeu um pouco e que as pequenas cidades tentam trazer de volta. 

2 comentários

Comentar post