Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas de uma Vida Pouco Privada

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Das Nossas Mini-Férias em Barcelona

Cada vez mais as nossas férias são assim para o mini. Temos de pensar que esta é a nova realidade e aproveitá-la e pronto.

O W casou e convidou-nos óbvio.

Mas era em Setembro e o Homem não pode tirar férias em Setembro, quer dizer não deve, por isso tirou recuperações.

O meu pai estava no hospital e a minha vontade de sair de perto de casa era próxima de zero, mas já tinha comprado bilhetes e já tinha pago  hotel(apartamento).

Depois de muitas conversas mentais comigo mesma, depois de muitas dúvidas e incertezas e de chorar umas quantas vezes, decidi, com muita culpa à mistura que íamos, tal como tínhamos combinado sem os miúdos, curtir e conhecer Barcelona. Nós, os R's adultos e a C e o J com o seu pequeno que se portou à altura.

Viajámos de Sevilha porque era bem mais barato. Ás 8 da manhã estávamos em Barcelona e foram 4 dias óptimos.

 

 

 

O nosso apartamento era perto do centro. Não era excelente mas servia perfeitamente para nós. Tinha varanda o que o tornava muito agradável e estava perto de tudo.

Andámos quilómetros, vimos quase tudo o que há para ver em Barcelona por fora, por dentro já foi mais complicado porque havia uma festa que tornou a cidade numa bolha de gente, com filas para todas as atracções. Imagine-se que para vermos a Sagrada Família (para nós Capela Sistina) na quinta-feira só era possível comprar bilhete para a segunda-feira seguinte.

Barcelona é muito bonita, tem uma luz muito agradável, uma magia diferente das cidades espanholas que conheço. É uma cidade enorme também, cheia de gente e de tradições que saltam à vista.

Comemos sempre muito bem, pelo meio da cidade velha essencialmente. 

 

 

 

 

 

Conhecemos finalmente a Champanheria que o W tanto falava, porque a despedida de solteiro dele começou lá. Fizemos o tour da morte, onde basicamente o objectivo é beber até cair. Voltámos para casa a pé para curar. Foi em grande.

 

 

 

 

 

 

 

O casamento foi muito giro, no jardim de um Hotel, com a chuva a ameaçar e com direito a festival de relâmpagos no final da tarde.

Depois do jantar dançámos até cair e voltámos para "casa" no autocarro que os noivos providenciaram.

Foi um casamento muito emotivo, provavelmente por ele estar longe de casa. Adorei estar lá, e tenho a certeza que apesar da culpa, tomei a decisão certa.

Não foi sempre magnifico para mim, confesso que houve momentos em que engoli em seco, mas ainda bem que fui e que correu tudo bem.

Venham mais férias, mesmo que curtas e Barcelona nós vamos voltar porque a "Capela Sistina" estava fechada e eu quero ver aquilo por dentro.