Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de uma Vida Pouco Privada

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Disto de Ser Mãe #8

Disto de Ser Mãe passou a rubrica, tenho sempre muita coisa para dizer acerca do assunto...lol

 

Adoro ser mãe, sempre foi sem dúvida um desejo. Julgo que a minha relação com a minha irmã é um pouco estranha (para não dizer outra coisa), exactamente por sempre ter assumido um papel demasiado maternal com ela.

Quando era mais nova achava que queria ser mãe aos 25. Quando os 25 chegaram, estava longe de querer engravidar ou mesmo estar preparada para isso. O tempo passou e chegámos a uma altura em que eu só pensava no assunto. Quando finalmente achámos que a altura tinha chegado eu estava nos 30. O Gabriel nasceu e uma semana depois fiz 31 anos. Não sei se foi tarde, se foi cedo, nem quero realmente saber. O que interessa é que adoro ser mãe. 

Mas... sim há sempre um mas, quando olho à volta tenho sérias dúvidas onde me situar nesta coisa da educação, maternidade, parentalidade, etc. 

Cada vez há mais informação disponível e cada vez há mais gente a seguir movimentos educativos diferentes e muitas vezes quando olho para a nossa família questiono se estamos ou não a ser bons pais (e sim eu sei que esta dúvida nos vais assombrar por muito mais tempo do que aquele que gostamos de admitir).

 

Hoje o tema são ser mãe ou pai sozinho (durante as férias).

 

Este verão mais uma vez deparei-me com o problema das férias dos miúdos, recorri aos meus pais como felizmente tenho feito desde que o Gabriel nasceu e eles passaram quase um mês com os avós na praia. Também recorri a visitas desta altura do ano, como os padrinhos do Gabriel e os tios e primos dos miúdos que ficaram com ele antes da avó entrar de férias em Agosto e mesmo durante, quando os avós estavam ocupados. Não é a solução ideal, mas até gosto do resultado. A facilidade com que o Gabriel passa tempo com outros familiares e amigos deixa-me muito feliz, sei que estou a criar um miúdo independente e espero conseguir fazer o mesmo com o Miguel.

E aqui é que surge a questão do tema de hoje. Cuidar de dois miúdos durante as férias de verão.

Num dos dias em conversa com uma familiar, fui informada de que ela não conseguia ir para a praia com os dois, sozinha, teria de levar sempre alguém com ela, por isso enquanto não teve companhia, esteve em casa. Fiquei de boca aberta, mas depois de fazer uma retrospectiva, lembrei-me de mais alguns casos que conheço (mas com quem não privo) que fazem o mesmo, não sei se por medo, se por comodismo. 

Não querendo aqui julgar ninguém, gostava de lembrar todas as mães e pais também, que nós (pai ou mãe) conseguimos cuidar de uma, duas ou mais crianças sozinha(o)s. Não é simples, dá trabalho, mas nunca deixem de sair à rua, de ir à praia ou a um parque, porque acham que não conseguem cuidar de dois miúdos. É tudo uma questão de regras e paciência. 

Na altura comentei com a minha familiar, que ia sozinha com os meus para a praia, mas a resposta foi, eu tenho medo que eles fujam...

Conheço muitas mães que se desenrascam tão bem ou melhor que eu, só temos de ser práticas e como já disse, regras e muita paciência, e é claro que é muito mais fácil e até agradável levar companhia, mas é bom lembrar que nós somos capazes sozinha(o)s. 

Uma das coisas que aprendi com a maternidade é que somos capaz de muito mais do que aquilo que pensamos.

2 comentários

Comentar post