Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de uma Vida Pouco Privada

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Disto de Ser Mãe #9

Disto de Ser Mãe passou a rubrica, tenho sempre muita coisa para dizer acerca do assunto...lol

 

Adoro ser mãe, sempre foi sem dúvida um desejo. Julgo que a minha relação com a minha irmã é um pouco estranha (para não dizer outra coisa), exactamente por sempre ter assumido um papel demasiado maternal com ela.

Quando era mais nova achava que queria ser mãe aos 25. Quando os 25 chegaram, estava longe de querer engravidar ou mesmo estar preparada para isso. O tempo passou e chegámos a uma altura em que eu só pensava no assunto. Quando finalmente achámos que a altura tinha chegado eu estava nos 30. O Mini nasceu e uma semana depois fiz 31 anos. Não sei se foi tarde, se foi cedo, nem quero realmente saber. O que interessa é que adoro ser mãe. 

Mas... sim há sempre um mas, quando olho à volta tenho sérias dúvidas onde me situar nesta coisa da educação, maternidade, parentalidade, etc. 

Cada vez há mais informação disponível e cada vez há mais gente a seguir movimentos educativos diferentes e muitas vezes quando olho para a nossa família questiono se estamos ou não a ser bons pais (e sim eu sei que esta dúvida nos vais assombrar por muito mais tempo do que aquele que gostamos de admitir).


Hoje o tema é o excesso de presentes na época do Natal.

 

Este Natal foi passado a norte, em casa dos pais do homem, com os tios e os primos de lá. É sempre uma animação, mas uma dor de cabeça para mim, porque há sempre a situação dos presentes para gerir.

Este ano como já percebem bem os dois, decidimos que podiam escolher três presentes cada um, para levar para cima e abrir em casa dos avós. Como ainda acreditam no Pai Natal, a história que contámos para justificar o aparecimento de tantos presentes com o nome deles ali por casa é que só à meia noite quando o Pai Natal passa lá por casa é que faz magia e enche os embrulhos com as coisas que eles pediram. Normalmente dizemos de quem vêm o presente, informando que foi por exemplo que "A tia pediu ao Pai Natal para trazer aquele presente", para tentar mostrar de onde vêm as coisas e a quem devem agradecer.

Mas mais uma vez, acabei a época com a sensação de que é tudo de mais, são demasiados presentes, demasiados brinquedos, demasiadas futilidades. Eu também o faço, também compro livros ou brinquedos para todas as crianças da minha lista. São mais de 20 crianças e não é simples, mas faço-o porque gosto e quero, não por obrigação, no entanto às vezes acho que devíamos resfriar um pouco este excesso de brinquedos que despejamos no colo dos miúdos.

Antes do Natal, juntei os dois e escolhemos brinquedos que já não queriam, para entregar aos meninos que não têm ou a amiguinhos mais pequeninos, e eles fizeram-nos de boa vontade, sem questionar, mas mesmo assim, tenho o quarto cheio de coisas.

Sou muito apologista das experiências, e graças ao Tio N e à Tia I, este Natal foram ao Sea Life no Porto e depois no regresso, nós decidimos oferecer-lhes uma visita à exposição dos Dinossauros Alive, que está na Cordoaria Nacional.

Para mim este tipo de presentes faz muito mais sentido, mas também não temos assim tantas experiências para oferecer, além de que não tenho orçamento para oferecer aos mais de vinte da minha lista, uma experiência. No entanto aos meus, sempre que puder, prefiro oferecer experiências do que bens.

Assusta-me o desprezo com que certos miúdos contam e comparam o número de presentes ou a forma como recebem um presente, sem agradecer, como se fosse uma obrigação nossa dar-lhe algo. Que valores vão ter estes miúdos quando crescerem?

Como é que chegámos aqui e como é que eu não deixo os meus serem exactamente como o primo de Harry Potter que se zangou com o pai porque recebeu 36 presentes no aniversário, menos um do que no ano passado?

 



Não é simples ensinar o valor das coisas numa sociedade de consumo como a nossa e também não os quero privar das vantagens de viver na sociedade actual, mas a minha luta interna é grande... muito grande.

5 comentários

Comentar post