Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de uma Vida Pouco Privada

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Do Euro 2016

Em Setembro de 2005 entreguei o meu curriculum no local onde ainda hoje trabalho, para tentar uma vaga na minha área profissional e ainda por cima bem perto de casa. Acreditei que podia conseguir o lugar mas confesso que quando aconteceu fiquei muito surpreendida, nem queria acreditar na sorte. 

No domingo o sentimento foi o mesmo, como em tantas outras vitórias da vida. Acho que é uma coisa de Tuga.

Eu acredito sempre, porque temos de acreditar, mas vou lá sem esperar retorno, reconhecimento ou até mesmo sorte e isso é mesmo de Tuga. Lutamos, corremos atrás, trabalhamos que nos desunhamos (não todos confesso), reclamamos que ninguém reconhece, mas nunca esperamos que a sorte nos bafeje e ficamos surpreendidos quando ganhamos alguma coisa ou alguém nos dá os parabéns ou até mesmo reconhece o nosso trabalho. Se calhar é de ser do Sporting mas especialmente no desporto estou mais habituada a perder finais, sofrer golos injustamente, ficar em quarto e não ganhar medalhas, acabar em segundo, etc, etc.

No domingo, o futebol e o atletismo fizeram-nos acreditar. Fizeram-nos acreditar em Nós, Portugal, povo Português. 

Não é simples acreditar, como já disse acredito sempre mas fico sempre surpreendida quando consigo, parece um contra senso mas é verdade. 

Quando estudava que me fartava e tirava uma boa nota ficava surpreendida. 

Quando consegui o trabalho fiquei surpreendida. 

Quando reconhecem alguma das minhas qualidades fico surpreendida.

Quando comecei a escrever as fanfics em inglês e comecei a receber elogios à minha escrita, ideias e criatividade fiquei surpreendida.

Quando comecei a receber comentários positivos no blog fiquei surpreendida que alguém viesse aqui ler os meus devaneios e os achasse de valor. 

Acho que é mesmo uma coisa de Tuga. É o nosso Fado.

É o nosso Fado perder na final.

É o nosso Fado trabalhar muito e receber pouco, quer dinheiro quer reconhecimento.

É o nosso Fado aceitar que os bons partiram para o estrangeiro e os que ainda não foram, irão em breve.

É o nosso Fado ser sancionado pela UE, porque somos pequenos e não somos bons o suficiente. 

A questão é que não somos pequenos, somos bem maiores do que pensamos.

A questão é que não somos bons, somos óptimos.

Somos 11 milhões de crentes que precisam de reconhecer que sim nós merecemos ganhar, merecemos reconhecimento, merecemos sorte e merecemos conquistas.

O dia 10 Julho de 2016 é a prova do que o povo português é capaz, com muito menos (recursos, dinheiro, etc) que a maioria.

Temos de aprender a aceitar que somos mais, que somos grandes e que podemos, claro que podemos alcançar grande reconhecimento.

Parabéns a Nós! 

2 comentários

Comentar post