Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de uma Vida Pouco Privada

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Dos Dias Maus

Quando posso os olhos pelo blog ou pelas redes sociais parece que a minha vida é um espectáculo, cheia de dias felizes. 

Como é óbvio não é, tenho muitos dias maus, mas a verdade é que acho que não faz sentido guardar as más memórias. Não sou do estilo de chorar sobre o leite derramado e quando surge um problema acho que o mais inteligente é resolver, dar a volta por cima e continuar. Nem sempre fui assim, mas hoje acho que devemos sorrir para a vida para que ela nos sorria de volta. Não ganhamos nada em andar cabisbaixos ou zangados com a vida. E eu acho que na realidade não me posso queixar. Mas há dias maus. Claro que há. Há dias que mais valia não ter saído de casa e há dias que tudo me irrita. Life is a bitch!

O meu principal problema são as pessoas, as pessoas não prestam. Não me interpretem mal, eu felizmente estou rodeada de muitas pessoas que valem a pena, mas tenho muita gente à minha volta que não vale o chão que pisa. 

Desde de miúda que queria ser bióloga, para quê? Para estudar os animais e não as pessoas... Quando cheguei à universidade a nota não chegou para biologia por isso fui para geologia, para quê? Para estudar calhaus e não pessoas. Eu não gosto de trabalhar com pessoas, eu gosto de fazer as coisas à minha maneira. Toda a gente diz que eu sou muito boa a trabalhar em equipa, porque quem faz as coisas sou eu e os outros só ajudam... E não gosto de hierarquias também. É inacreditável como por breves momentos achei que podia ingressar na Marinha Portuguesa, foi de certeza um momento em que não estava na posse de todas as minhas faculdades.

Mas neste momento a minha grande luta é como é que eu vim parar à área da Segurança no Trabalho, como é que me ocorreu que eu seria a pessoa indicada para esta função. Eu que detesto obrigações e gosto de fazer as coisas à minha maneira e detesto fazer o que quer que seja só porque sim ou porque alguém diz. 'Tava louca garantidamente. 

Não me interpretem mal mais uma vez, eu sou óptima auditora, porque gosto de tudo certinho, alinhadinho e correcto, mas se eu não concordo com a Lei como é que posso fazer cumpri-la? Quer dizer o problema até não está na Lei o problema, como sempre, está no que as pessoas (ai está outra vez as pessoas) fazem com ela. Não percebo como se trabalha para "inglês ver" e não com o intuito de proteger os trabalhadores, que foi a única razão porque a Segurança no Trabalho surgiu.

Enfim ontem foi um dia mau, daqueles com desentendimentos esgotantes que me fazem ter vontade de jogar 100€ no euromilhões para poder largar isto tudo e fazer aquilo que realmente gosto de fazer. Não sei bem o que seria mas de certeza que metia viagens e escrever e de certeza que significava que tinha mais tempo para a família...

Hoje ainda não sei como será, mas provavelmente não será melhor. Mas quando chego a casa tenho dois putos carecas com um sorriso lindo à minha espera, e um copo de Gin com amoras ao final da noite que o meu homem prepara porque é multi facetado.

O sorriso? Continua aqui nos rosto como é óbvio. Keep smiling!  

 

2 comentários

Comentar post