Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas de uma Vida Pouco Privada

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Disto de Ser Mãe #4

Amo os meus putos, a sério que sim, como não amei nada igual na vida, porque o amor de mãe é diferente, é gigante e enche-nos a alma, mas é manipulador e masoquista. Leva-nos aos extremos da complacência e da loucura. É uma droga do caraças no bom e no mau sentido.

Neste momento estão ambos numa fase linda, onde o Micro me abraça e me beija com toda a força que tem, corre para mim a chamar pela "mamã"(preferia mãe mas enfim...), fala em catadupa sem que ninguém o perceba, esconde a cara com as mãos quando tem vergonha ou quando faz asneira e ri à gargalhada de quase tudo, demonstrando que é um puto feliz.

Uma fase muito boa, onde o Mini faz amigos com uma facilidade incrível, gosta de me ajudar a fazer o jantar, brinca com o irmão, tem amigos fora da escola e fora da sala dele, com quem tenta passar tempo (o que acho magnífico), brinca com os colegas que estão mais sozinhos e preocupa-se em manter todos contentes com ele.

No entanto, em casa, isto é apenas 10%, porque os restantes 90%, são com birras porque não querem comer (ambos), discussões porque querem as coisas um do outro, amuos porque não lhe faço as vontades, etc, etc, etc.

Confesso que eles me conseguem fazer passar por completo. Eu tento não gritar, mas há momentos em que um ser demoníaco desce sobre mim e eu não consigo não pregar dois berros e mandá-los para o quarto. 

Eu sempre disse que queria ter mais filhos, e continuo a dizer, mas há momentos em que me oiço e penso: "Esta gaja tá maluca! WTF"

Quando era só o Mini isto tudo também acontecia, porque, felizmente ou infelizmente, nem sei bem, tenho filhos cheios de personalidade e com uma grande dose de teimosia (não percebo porquê, já que os pais são ambos tão flexíveis...) mas repreender o Mini com o Micro agarrado à minha perna, ou repreender o Micro com o Mini a rir-se da asneira que o outro acabou de fazer roça um bocadinho a loucura.

Mas tudo isto passa, quando a educadora do Mini comenta com alguém que nos conhece, que o Gabriel é um doce de menino e que parece um homem em ponto pequeno, sempre muito cordial e educado ou quando todas as auxiliares da escolinha do Micro lhe chamam Nenuco e fazem fila para o ter ao colo porque ele é muito mimoso.

E é aqui que o coração de mãe se enche de orgulho e nós nos esquecemos do copo de leite que o outro derramou porque não faz nada com atenção ou do rasto de água que o mais pequeno deixou pela casa toda porque acha giro ver as gotas a pingar da tetina.

E assim sou uma mãe de coração cheio (nos dias bons )!

 

Do Regresso a Casa

Uma das melhores coisas de ir de férias (e sim eu vou fazer um post sobre as férias) é o regresso a casa. Especialmente quando não levamos os miúdos connosco.
Tinha saudades deles, do cheiro, dos gritos, dos beijos, de tudo, além disso adoro chegar a casa e voltar a dormir na minha cama, é assim uma coisa que me faz sentir reencontrada.
Desta vez o regresso tinha muitas coisas boas. 
O meu pai já tinha tido alta e estava em casa. O Micro já andava destemidamente por todo o lado. O Mini contou os dias para regressarmos a casa. Tudo coisas que nos fazem sentir amados e felizes.
No domingo resolvemos passar o dia com os R's porque ambos os putos, os deles e o meu, estavam a ressacar de saudades uns dos outros. E como compensação por termos ido de férias sem eles (sim porque nestas coisas, a culpa nunca nos larga) passámos a tarde juntos, na praia, não a fazer praia, mas na praia, um dos nossos sítios favoritos e acabámos em nossa casa a jantar pizza e sushi.  
Depois de lanchar-mos fomos dar um passeio junto ao mar e o cenário era este.
 

 

E nesse passeio senti-me uma mulher cheia de sorte que tem tanto tão bom à sua volta que não tem razões para se queixar. Sem duvida que recarreguei baterias para tudo o que ai vem, seja bom ou mau. Este cenário tem sem dúvida poderes curativos.

E ser testemunha do crescimento da amizade dos R's e dos meus filhos é algo que me enche o coração, de uma forma difícil de explicar.

Só por um regresso destes vale a pena ir de férias, mesmo sejam curtas como as nossas foram.

Coisas #18

FotoJet Collage.jpg

 

1 Coisa: O Mini anda com pouca vontade de ir para a escola. Já tivemos uma conversa e as coisas melhoraram um pouco, mas noto uma certa falta de empatia com a educadora. Espero que se resolva. Eu confesso que não sou totalmente fã da senhora, mas nuca lhe transmiti isso, mas quem sai aos seus... :P

 

2 Coisas: Era interessante conseguir dar conta de toda a roupa que tenho para passar e para arrumar, a minha casa parece um armazém daqueles que recebe rouba usada para depois distribuir.

 

3 Coisas: O Setembro trouxe as minha séries de volta. Estou completamente viciada.

 

4 Coisas: Então e o Brad e a Angelina, e a Naomi e o Liev, mas anda tudo parvo? O pessoal não se entende? Mas eles não falam a mesma língua? Fico triste, fico muito triste!

 

5 Coisas: Um dos meus bff's casou e ainda bem que eu estava lá. Foi tão bom ;) Estávamos os dois muito lamechas, mas adorei.

 

6 Coisas: Marquei Outubro para o meu regresso... ao Yoga, ao ginásio, às refeições planeadas, aos cozinhados, à organização... à vida basicamente, já que tenho andado assim meio... perdida.

 

7 Coisas: O Micro começou a andar e é adorável ;) Adoro vê-lo a cambalear pela casa a chamar por mim, "Mamã?".

 

8 Coisas: O Mini R já nasceu e foi amor à primeira vista!

Da Aventura de Acampar

Fomos de férias, quer dizer mini-férias, mais uma vez, mas o Sol não quis vir connosco.

A minha vida está assim um pouco em stand-bye desde o final de Agosto. Estes dias têm sido um pouco complicados e ultimamente a minha vida resume-se a casa, trabalho e hospital. 

Ás vezes sinto-me um pouco sem rumo e isso assusta-me.

Há já algum tempo que tínhamos falado, eu e o homem, em acampar com os miúdos. Tínhamos saudades de Aljezur e daquelas praias magníficas e gostávamos de oferecer essa experiência ao Mini. Adiámos esta pequena viagem o verão todo, porque o tempo passa rápido, porque o verão aqui em casa é sempre um pouco agitado, porque o homem não tem férias nesta altura do ano, porque entretanto o Micro resolveu ter uma convulsão, porque entretanto o meu pai foi internado de urgência e não sabemos quando voltará a casa, por tudo e mais alguma coisa. 

Como não sabíamos se realmente íamos conseguir, não combinámos, nem sugerimos esta hipótese a ninguém.

Na sexta-feira passada, depois de ir ver o meu pai, como faço quase todos os dias, vim para casa a pensar que os miúdos, à conta disto tudo, têm passado os dias fechados em casa e em conversa com o homem acabámos por decidir que era altura de fazer alguma coisa diferente, para eles, antes do inicio das aulas.

Desta forma, no sábado, depois do homem chegar do trabalho e de ter arrumado as coisas todas para levar, sem ter feito uma lista ou planeado nada para esta viagem, saímos em direcção a Aljezur ao som de Peral Jam como é óbvio.

Chegámos ao Parque de Campismo do Serrão, casa de tantas outras férias nossas em anos anteriores, faltavam 5 minutos para as 22h. E a recepção fechava às 22h. Como disse não foi muito planeado e achávamos que a recepção era até à meia-noite.

Montámos a tenda de noite, o melhor que conseguimos e na manhã seguinte percebemos que estava montada num caminho e não no local próprio para tal. Detalhes!

Foram dois dias óptimos, apesar do nevoeiro, os miúdos adoraram, o Micro talvez seja um pouco novo ainda para estas andanças, mas o Mini já se desenrasca muito bem. Houve birras como sempre, houve gargalhadas, almoços na praia, jantares no restaurante. Houve noites ao luar, houve perguntas e mais perguntas sobre os barulhos, as sombras, as pessoas, os balneários, as pulseiras, as chapas da tenda e do carro, as regras, as praias, e sei lá mais o quê. Tudo era novidade!

Como o nevoeiro continuou persistente, no domingo resolvemos fazer praia em Lagos, na Meia Praia, onde não havia nevoeiro mas sim um sol quentinho e água calma sem ondas para os miúdos brincarem e para nos fazer sonhar com o próximo verão, já que este está mesmo, mesmo no fim. 

Acho que correu bem, o Mini tem mais uma memória para contar, adorou dormir numa tenda.

Nós estávamos a precisar, eu estava a precisar, a minha cabeça estava a precisar e foi bom, muito bom. Espero repetir, na próxima com os R's por exemplo, já que o Mini passou o tempo a dizer que os amigos dele iam gostar muito de acampar numa tenda também (eu expliquei que tinha sido tudo em cima da hora, mas ele acha sempre que tudo é possível num instante, acho que isso é culpa minha).

Aljezur é e provavelmente sempre será um dos meus sítios favoritos neste país. Ir lá faz-me sonhar com uma vida de relax, daquelas em que vivemos dos rendimentos e não do ordenado, porque lá não seria fácil arranjar emprego, mas é como o meu local de cura e recuperação, o nosso local secreto, my favorite spot!

 

03.jpg

01.jpg

02.jpg

 

Coisas #17

FotoJet Collage.jpg

 

1 Coisa: Preciso de férias asap!

 

2 Coisas: O Mini tem saudades da escola. Um dia quando lhe contar isto ele vai dizer que é mentira, mas a verdade é que todos os dias me pergunta se ainda falta muito para começar a escola.

 

3 Coisas: O Micro ainda não está muito satisfeito com a cena de ficar na escola de manhã. Espero que passe rápido, detesto deixá-lo lá a chorar.

 

4 Coisas: Já tenho saudades do verão e ele ainda não sei foi embora.

 

5 Coisas: Gostava de trabalhar no centro da cidade. Quando vou lá de manhã fico sempre maravilhada com todo um mundo de gente a circular de um lado para o outro nas suas vidas. Gosto daquele reboliço, daquele vai e vem de gente a começar o dia, dos cafés da manhã, das lojas a montar as esplanadas, das rotinas. Adoro observar estes rituais do quotidiano. 

 

6 Coisas: Detesto hospitais. Sempre que lá entro fico com um nó no estômago que só se desfaz quando de lá saio. Garanto que seria muito difícil habituar-me a trabalhar num hospital. Tudo me incomoda. Os cheiros, as cores, as pessoas... Não é de todo um local onde me sinta confortável.

Do Verão outra vez!

Quando era miúda as férias eram enormes e de Julho a Setembro estávamos na praia todos os dias, de manhã até ao final do dia. Tenho muitas saudades desses tempos. Dos dias sem pressa, dos almoços na praia, dos finais de tarde com cheiro a maresia, das amizades de praia, dos banhos de mar às oito da noite. Era tudo óptimo. 

Tudo isto se repete actualmente e felizmente. Agora durante menos tempo e muitas vezes só partes do dia em vez do dia todo. 

Mas Verão, estando ou não de férias, desde há muito tempo que significa sair tarde da praia, casa cheia de amigos ou família de longe, jantaradas e esplanadas, só coisas boas.

Este ano não foi excepção e o nosso "hotel" já funciona e os amigos já começaram a ir e vir.

Este ano alguns não ficaram no "hotel" mas estiveram quase sempre connosco.

Os padrinhos do Mini até conseguiram fazer com que ele perde-se o medo do mar e agora já dá mergulhos e tudo. Estes momentos de partilha fazem-nos tão bem.

É por isto tudo que eu gosto tanto do Verão.

 

O bom do Verão são os mergulhos na água quentinha ou fresquinha dependendo da praia.

O bom do Verão é ficar maravilhado com a nossa costa.

O bom do Verão é ver os nossos filhos, a fazer amizades de praia como nós em tempos fizemos e com os filhos dos nossos amigos de praia de outros tempos.

O bom do Verão é ficar na praia até às nove da noite e jantar em qualquer sitio porque os horários e as rotinas nesta altura estão de férias.

O bom do Verão é receber os amigos que estão longe, em nossa casa e fazer com que eles se sintam em casa. 

O bom do Verão é conhecer praias novas e diferentes que são tão bonitas que nos provam que Portugal é magnífico.

O bom do Verão são as jantaradas com os amigos em que somos tantos à mesa que quase não temos loiça para todos.

O bom do Verão é beber gin na esplanada apesar de ter de ir trabalhar no dia seguinte.

O bom do Verão é o cheiro a mar e protector solar no corpo e no cabelo.

O bom do Verão é ver o pôr do sol na praia e ver as gaivotas a chegar para passarem a noite.

O bom do Verão é namorar nos poucos momentos que temos para nós.

O bom do Verão é aproveitar o calor e os dias longos para ser feliz.

O bom do Verão é viver sem pressa e aproveitar cada momento.

 

FotoJet Collageq.jpg

 

 

Do Modo Férias

Como já disse este ano as férias são assim um pouco estranhas. Mas é incrível como entro em modo férias e saio de modo férias em tão pouco tempo. É provável que entretanto isto dê mau resultado porque começo a acusar um ligeiro cansaço. No entanto estou a adorar estes curtos momentos em que consigo desligar. Venham mais e mais...

 

FotoJet Collagesapo.jpg

 

 

Coisas #14

FotoJet Collage.jpg

 

 

1 Coisa: Isto do verão é do caraças, os dias são enormes, o calor faz preguiça e a mim apetece-me tudo menos trabalhar.

 

2 Coisas: Este fim de semana eu e o homem constatámos uma coisa. Podíamos viver na boa, pelo menos durante o verão, de festivais e street food e cerveja em copos de plástico. Andar por aqui e por ali com os putos a tira-colo... houvesse dinheiro e era já ontem.

 

3 Coisas: Isto do Mini ter os fins de semana prolongados é muito giro, mas depois no dia que tem de regressar à escola a coisa doí...

 

4 Coisas: Há dias de praia magníficos e domingo foi um deles. Saímos de lá às 9 da noite.

 

 

5 Coisas: Começar a semana com uma aula de Yoga é das minhas melhores terapias.