Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de uma Vida Pouco Privada

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Da notícia de hoje ...

Um pouco a propósito do post de ontem surge hoje esta notícia no Diário de Noticias:

Governo alarga licenças parentais

Por acaso, nem é bem o título que me interessa mais, mas sim o que li no corpo da notícia. Entre várias medidas associadas ao incentivo à natalidade, pode ler-se e passo a citar:

"Trata-se de uma mudança cultural que exige convocar toda a sociedade e assumir um compromisso coletivo com medidas de impacto a curto, médio e longo prazo. Este programa representa, por isso, um esforço conjunto do governo, de empresas públicas e privadas, e de entidades da administração pública central e local", lê no preâmbulo do programa, a que o DN teve acesso.

Uma mudança cultural, que eu ando a defender há bastante tempo e que é fundamental, para voltarmos a ser pais dos nossos filhos e não apenas alguém que lhes dá de comer, duas vezes por dia (já que normalmente almoçam na escola) e os acomoda na cama à noite, depois de lhes dar banho. 

Pessoalmente acho que o meu vencimento não é adequando nem à minha função, nem à minha formação, mas ultimamente já quase que nem falo em aumento (apesar de o aceitar se tal me for proporcionado obviamente que não sou hipócrita a esse ponto), falo de mais tempo. Preciso de mais tempo, mais tempo para ser mãe, mais tempo para ser mulher, mais tempo para ser eu...

Na noticia ainda refere algo porque luto quase desde entrei no mercado de trabalho, que já está referido na lei, mas que praticamente nenhuma empresa em Portugal permite colocar em prática, passo mais uma vez a citar. 

Neste "conjunto de medidas" inclui-se "a implementação de práticas laborais" como o "teletrabalho, horários adaptados, horas-limite para reuniões, ginástica laboral" e o "desenvolvimento de sistemas de apoios pessoais e familiares (formação, incentivos à partilha das licenças entre pais e mães, protocolos com entidades prestadoras de serviços em áreas diversas como a saúde, cuidado de pessoas em situação de dependência, desporto, cultura e lazer)".

O teletrabalho é totalmente possível na minha função durante pelo menos dois dias por semana (e estou a ser boazinha), e seria para mim uma mais valia enorme. Adequar horários é tão simples na minha empresa que até doí ter 1h30m de almoço, por depois sair do escritório depois das 18h, quando às 17h já podia estar a apanhar os miúdos, permitindo um ganho de quase duas horas nas nossas rotinas diárias. 
 
Têm todo o meu apoio, posso-me dar como voluntária neste projecto piloto e espero ver resultados em breve (eu sou paciente...) e não só notícias bonitas no jornal. 

 

2 comentários

Comentar post