Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de uma Vida Pouco Privada

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Dos Produtos Caseiros

Nota: Este post não foi escrito com o patrocínio de qualquer marca (lol)

 

FotoJet (7).jpg

 

 

Desde miúda que gosto de cozinhar, não vos consigo dizer que algum membro da família me tenha influenciado ou até mesmo me tenha ensinado a cozinhar, não me lembro de ninguém a explicar-me como se fazia este ou aquele prato, acho que como quase tudo o que eu apreendi na infância, o gosto pela cozinha, veio da observação e da minha necessidade de ajudar.

Desde miúda que fui incentivada a colaborar nas tarefas domésticas, como todos os elementos do nosso (na altura) vasto agregado familiar, tendo alguns se tornado mais colaboradores que outros lol

Isto tudo para dizer que sempre cozinhei, sempre me desenrasquei bem na cozinha, mas nunca fui de fazer grandes pratos elaborados. 

Lembro-me da minha avó fazer marmelada, filhós, folares e pão, mas sempre achei esse tipo de receitas longas e demoradas e quando me tornei autónoma normalmente comprava esses produtos.

Desde que tenho Bimby, esse cenário mudou muito, e passei a fazer muitas das coisas que antes comprava.

Desde que tive filhos as minhas preocupações com a alimentação aumentaram significativamente, e cada vez mais me preocupa o que comemos, o que eles comem.

Ultimamente, tenho pensado muito nisso, e talvez por a escola do Mini ter introduzido a alternativa vegetariana, até introduzi em casa um dia de comida vegetariana, quase todas as semanas.

Eu sei que o mundo ruma exactamente no sentido oposto e sei que cada vez, encomendamos mais comida fora, compramos muita coisa pré-feita ou já preparada, os lanches são embalados, etc, etc, etc.

No entanto eu (mais uma vez) tenho andado a rumar no sentido contrário, obviamente não sou de todo fundamentalista, aliás é uma das coisas que me perturba bastante, a questão do fundamentalismo, mas de há algum tempo para cá tenho adaptado muito os nossos consumos, e há coisas que simples deixei de comprar.

Faço os meus iogurtes gregos (e adoro), faço a minha pizza (desde a massa ou molho de tomate), faço as bolachas do lanche da semana, faço pequenos snacks também para os lanches da semana, faço os suminhos do Micro, além de cozinhar todos os dias como é óbvio.

No domingo passado enquanto preparava mais uma vez as pizzas de domingo, o meu avô dizia-me que eu passava tanto tempo na cozinha e que tinha tanto trabalho, porque é que não comprava. Eu respondi-lhe quase sem pensar "Podia comprar sim, mas não era a mesma coisa." Na verdade faço tudo isto porque gosto de cozinhar, gosto dos resultados e gosto especialmente de comer algo bom que eu preparei.

Sempre me habituei a ter produtos da horta, os meus avós e os meus sogros têm horta e há muita coisa que não compro, consumo mais os produtos da época e não compro muito fruta estrangeira, fundamentalmente porque os miúdos não são muito apreciadores. Como é óbvio, há ocasiões e ocasiões e sempre que achar que vale a pena, encomendo uma pizza e compro iogurtes entre outras coisas, mas cada vez mais gosto deste conceito dos produtos caseiros, gosto muito de encontrar novas receitas e ainda ando há procura de encontrar algumas receitas de pão que resultem mesmo, ainda não achei aquele pão tipo tchan!

Mas em resumo, acredito cada vez mais que é importante nos preocupar-nos com o que comemos, cozinharmos as nossas refeições e ter atenção às quantidades de açúcar consumidos, é fundamental para um estilo de vida mais saudável. E essa é a mensagem que quero que os meus miúdos recebam, porque a mudança de mentalidades é a nossa a ferramenta para o futuro e eles são o nosso futuro ;)  

4 comentários

Comentar post