Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Crónicas de uma Vida Pouco Privada

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Espaço dedicado à vida pouco privada de uma família de quatro, mãe, pai, mini e micro, gerido pela mãe que tenta não se esquecer de ser mulher e companheira quase todos os dias...

Do "ser antisocial"

Não sei estou a travessar uma fase muito boa da minha vida ou uma fase muito má.

A verdade é que cada vez mais sinto que me estou a tornar antisocial. 

Não há muito tempo falei aqui  de como praticamente tudo o que fazemos hoje em dia é de alguma forma moldado pela sociedade em que vivemos, como é óbvio isso tem partes boas e partes más. 

Há pouco tempo falava com uma amiga que justificava, a mim e provavelmente a ela própria também, o porquê de não ter alugado um espaço diferente para a festa de aniversário do filho, o porquê da festa não ter insufláveis ou animadora. 

Na verdade, as festas de aniversário monumentais são mais uma imposição da nossa sociedade. É óbvio que é uma loucura fazer uma festa de miúdos num apartamento, assim como é óbvio que em alternativa, será necessário alugar um espaço próprio para o efeito, e claro que quanto mais atracções esse espaço tiver melhor, mas os preços praticados hoje para um espaço desse são na maioria das vezes assustadores, e muitas vezes para os miúdos, a simples festa basta. Eu sei que sou uma privilegiada, que tenho um bom espaço para juntar muita gente em minha casa, mas normalmente sou eu que faço tudo, e confesso tenho muito orgulho nisso.

E aqui chego à minha afirmação inicial, acho que me estou a tornar antisocial.

Este é um dos factores. Cada vez mais, quero ser eu a fazer as coisas, quer ser eu a criar, a decorar, a alterar, acho que estamos demasiado consumistas, e isso assusta-me. E sim eu sei que assim não ajudo em nada a economia, os mercados emergentes, as start ups e tudo mais. Ou seja eu não sou uma mais valia para o meu país, confesso... mas cada vez mais me sinto menos confortável, com o excesso de consumo que me envolve, pode ser paranóia ou mais uma vez influência da sociedade, na versão contrária à falada anteriormente. 

Outro factor que me leva a concluir que me estou a tornar antisocial é o facto de boa parte das pessoas com quem convivo diariamente me irritar, as pessoas estão muito egoístas, centradas nelas próprias, sempre a tentar ignorar que o mundo contínua a girar e que elas não são o centro do mundo. Tenho poucos, mas muito bons amigos, muitos deles que são como família, tenho alguma família também porque quem nutro muito carinho, mas tirando estas que me são próximas, a maioria das pessoas com quem me cruzo no dia a dia são uma desilusão e elas fazem parte da nossa sociedade, aquela que nos tenta encaminhar num determinado sentido.

Para terminar porque isto já vai longo, noto que não me sinto confortável com muitos dos pais dos amiguinhos dos meus miúdos. O facto deles serem amigos não implica necessariamente que eu e os pais deles também sejamos, muitos deles são pessoas com quem eu não identifico de todo ou são pessoas daquelas que referi acima...

Em resumo estou a tornar-me antisocial, se isso é bom ou mau não vos sei dizer.